A CVC(antiga dona do MotoGP) quer recomprar a galinha dos ovos de ouro.

651
CVC

Segundo a Financial Times, consultores auxiliam em uma recompra planejada da Dorna pela sua antiga dona CVC. A CVC contratou especialistas financeiros da Lazard para calcular o preço de compra e o valor da Dorna para venda em 2019.

Dizem que o ex-proprietário da Dorna, a CVC, tem um forte interesse na recompra da empresa espanhola. A CVC vendeu a Dorna em 2006 por 500 milhões dólares. Na época a CVC havia assumido os direitos da Fórmula 1 e temia com a retenção dos direitos do MotoGP com as leis anti-monopólio.

No ano passado, a CVC vendeu a empresa de Fórmula 1 “Delta Topco” para a gigante de mídia Liberty Media Group por um total de US$ 8 bilhões. O valor da empresa é estimado em 4,4 bilhões de dólares.

A Dorna ̩ considerada uma empresa que vem crescendo muito. Adquiriu os direitos do MotoGP em 1992 atrav̩s da Federa̤̣o Internacional de Motociclismo РFIM Рe estendeu os direitos at̩ 2041. No Campeonato Mundial de Superbike, o contrato com a FIM se estende at̩ o final da temporada 2036, a Dorna assumiu esses direitos da competi̤̣o em 2012, depois da Infront e da era Flammini.

Sob o controle da Bridgepoint, diz-se que a Dorna aumentou seu patrimônio três vezes e usou o dividendos para distribuir aos seus acionistas.

Sob o regime da Dorna e do bem-sucedido CEO Carmelo Ezpeleta, o Campeonato Mundial de Motociclismo vem experimentando um apogeu econômico e esportivo há anos. Nunca antes tantos espectadores nas pistas de corrida, nunca antes houve tantas Grand Prix em um ano, e há novas pistas nos mais diversos países tentando entrar no calendário anual, Finlândia, México, Indonésia, Cazaquistão e Brasil em linha para obter um contrato com o MotoGP.

Mais e mais estações de TV estão interessadas por causa das classificações atraentes nos índices de audiência que a competição consegue atrair. Um fim para esse crescimento não é previsível. Mais e mais empresas compram os “direitos de nomeação” para o Grand Prix individual, as vendas de banners ao redor das pistas de corrida estão crescendo.

O novo conceito com as máquinas de corrida de quatro tempos, em vez do motor de dois tempos fora de moda, provou ser brilhante. Entre 2002 e 2012, os dois tempos foram proibidos nas três classes.

A Dorna despejou quantias lucrativas para as equipes, até 60 milhões por ano. Também as ideias inicialmente controversas com os pneus standard e os motores unitários (apenas Moto2), o programa de redução de custos, o nivelamento de custos das máquinas de MotoGP e os componentes electrónicos das três classes tornaram-se um sucesso.

Também foi anunciado um novo acordo de transmissão há poucos dias: o serviço de transmissão ao vivo DAZN assumiu os direitos televisivos espanhóis no lugar do parceiro de longa data da Dorna Movistar-TV.

O que fica é apreensão de saber se o magnifico trabalho do Sr. Ezpeleta continuaria sendo aplicado com a venda da empresa, ou se iriam querer colocar o dedo no meio e estragar todo o belíssimo espetáculo que temos o prazer de assistir aos finais de semana. Mas é aquela velha conversa, pode não estar à venda mas tudo tem um preço.