BRABEC VENCE O DAKAR 2020 – PRIMEIRA VITÓRIA DOS EUA E A PRIMEIRA DA HONDA EM 31 ANOS.

422

Com um enfático segundo lugar na etapa final, o americano Ricky Brabec (Honda) conquistou a sua primeira vitória no Rally Dakar da Arábia Saudita, encerrando 18 anos de domínio laranja (KTM) no evento e reivindicando a primeira vitória para um piloto dos EUA.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 15792363492257-2.jpg

O americano foi escoltado desde o primeiro momento da etapa final por seu parceiro argentino Kevin Benavides, que começou uma posição à frente e parou para esperá-lo e prestar ajuda caso surgisse alguma complicação, algo que não aconteceu.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmm-4-6-1024x685.jpg

Falando no estágio 12, Ricky disse: “No final, juntamos as peças do quebra-cabeça. Não poderíamos fazer isso sem a colaboração de todos os pilotos da equipe. Eu estou realmente feliz. É o meu quinto Dakar, e a minha segunda vez terminando…”

“Acordei esta manhã feliz em pilotar no último dia. E nós estamos aqui. Nós ganhamos! Tínhamos que ser inteligentes e focados todos os dias. Não há nenhum cara importante na equipe, todos trabalhamos juntos, somos uma família. Todos nós vencemos.”

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmm-2-1-1024x685.jpg

Essa vitória no Dakar é a primeira da Honda em 31 anos, oito anos depois que eles voltaram ao Dakar como uma equipe de corrida de fábrica. A etapa final – décima segunda – foi vencida por Jose Ignacio Cornejo, da Honda Racing, no tempo de 1.28.15h com o seu companheiro de equipe Brabec logo atrás, distando apenas 53s.

Decidido a lutar até o fim para manter o seu título e a coroa da KTM, Toby Price fechou a prova distando 2.25m do líder, em um palco que o vê na terceira posição geral.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 15791659987362-1.jpg
Pablo Quintanilla (imagem acima) foi o quinto hoje, mas manteve o seu segundo lugar geral, em um dia difícil para navegar até o ultimo estágio da prova.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 15792363480135.jpg

O nome do americano permanecerá para sempre na história dos grandes feitos da marca da asa de ouro, uma vez que ele devolve à Honda um prêmio que não levava em suas disputas há 31 anos (em 1989, a Honda de Giles Lalay foi a última a subir no topo do pódio, em Paris). O fabricante, que venceu a primeira edição (com Cyril Neveu em 1979), ansiava por essa vitória desde 2013, ano em que os japoneses desembarcaram novamente no Dakar, depois de vinte e quatro anos de ausência.

O gigante Brabec – sua corpulência e força compete com a do atual campeão Toby Price – foi torneado no deserto da Califórnia, onde as dunas não abundam, mas no terreno quebrado, ele movia-se com um peixe na água.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmm-2-16-1024x690.jpg

Sua capacidade de se adaptar a esses complexos cenários e a sua velocidade chamaram a atenção da Honda, que o levou dos Estados Unidos em 2015 para o Abu Dhabi Desert Challenge. Nas dunas, terreno desconhecido e sem experiência em rallies (na American Desert Series não há navegação), ele alcançou um incrível quinto lugar.

Seu mentor, a lenda americana no fora de estrada Johnny Campbell, não se enganou quando, pouco antes, ele lhe deu a oportunidade de ir à competição, mesmo tendo acabado de fraturar a clavícula, a mão e o pé em uma queda.

Seu primeiro Dakar (uma competição que ele confessou não ter ouvido falar em sua juventude, mas onde ele foi o americano mais jovem a estrear, com 24 anos), foi o de 2016. Lá ele deixou a sua marca assinalando um top 10 (9º) promissor que mostrava que o californiano foi feito para este tipo de prova … embora ele insistisse em dizer o contrário. Nas três edições seguintes, a falta de sorte atingiu Brabec, que venceu sua primeira etapa em 2017 e, em 2019, ele era o líder absoluto na tabela geral quando, como ele próprio admite, viveu um dos piores dias de sua vida.

Brabec liderava a tabela geral faltando apenas duas etapas para o término do Dakar quando viu-se desamparado no meio do deserto, após o seu motor apagar. Uma adversidade que, apenas um ano depois, foi reparada de forma triunfante.

Ele tem em seu currículo os eventos – Baja 500, Baja 1000, Vegas e Reno –, e, a partir de agora, o mais desafiador de todos os rallies – o Dakar.

Para muitos pode ser uma surpresa, mas ele sempre confiou em si mesmo cegamente. Lembro que em 2019 um vergonhoso Brabec deixou os jornalistas sem palavras quando afirmou que o seu objetivo era a vitória…

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmm-1-1-1-1024x683.jpg

Parabéns à Honda, que conquistou todos os títulos na categoria rainha com Marc Márquez, e agora tem em mãos outro cetro importante – o Dakar 2020.

Tabela de tempos Dakar 2020 – resultado final

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Dakar_Rally_2020_Final_Ranking_1-911x1024.jpg