Dovizioso e a Ducati lutam com os novos pneus.

401

A Ducati está em apuros? Há mensagens contraditórias na Ducati. A moto tem um motor aprimorado, tanto em termos de acabamento quanto de suavidade, e o chassi é uma melhoria em relação ao do ano passado. No entanto, os pilotos da Ducati estão preocupados. Eles acreditam que estão atrás na curva de evolução, em parte por causa dos novos pneus que a Michelin trouxe.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Side-view-of-Andrea-Doviziosos-Ducati-in-2020-MotoGP-Sepang-testing-1536x1025-1-1024x683.jpg

Andrea Dovizioso resumiu de maneira tipicamente cautelosa. “O que vimos no teste de Sepang foi um Maverick muito forte na simulação, e Rins muito confortável. E nós não estamos tão longe. Então isso é bom. Demos a nossa melhor volta com o pneu duro, como Jack também o fez, então isso foi bom. Mas ainda assim a confiança não está tão boa.”

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 838479-1536x1024-2-1024x683.jpg

A questão surgiu da maneira como o novo Michelin se comporta, analisou Dovizioso. “É diferente. “Primeiro, temos que nos adaptar à mudança. Mas a mudança não é tão fácil. Esse é o primeiro ponto. Segundo, no ângulo máximo de inclinação, você não tem muita aderência, mas na área de tração, você tem muita aderência.” Quando você entra nos cantos, a traseira está empurrando a frente de uma maneira diferente em relação à moto do ano passado. Este é o ponto que cria alguns limites e alguns problemas. É difícil de gerenciar porque quando a traseira empurra a frente, você tem um grip melhor para fazer alguma coisa. Mas quando você entra, é um pouco pior. Ainda estamos trabalhando nisso. Acho que há uma margem. Ou espero, porque o sentimento não foi tão bom.”

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 84866060_2691740110891780_3195497118953373696_o.jpg

Em contraste, Jack Miller da equipe da Pramac Ducati ficou mais à vontade com o novo pneu. O australiano foi muito rápido em uma única volta, mas quando olhamos para o ritmo de corrida ele parece estar um pouco atrás. No entanto, Miller continua positivo, convencido de que estão fazendo progressos.

Miller disse que o pneu é menos previsível quando começa a deslizar, embora ambos os pilotos esperem que esses problemas sejam corrigidos com as melhorias nos componentes eletrônicos. A Ducati não revelou a sua nova aerodinâmica para 2020 em Sepang. Seus engenheiros nunca revelam o trabalho de inverno até a primeira corrida, para que os rivais não tenham chance de copiá-los.

Johann Zarco recebeu uma atenção especial, pois os fãs estavam intrigados em saber como o francês se sentiu pilotando uma Ducati. Mas foi impossível descobrir: embora Zarco tenha se mostrado positivo em uma mensagem de texto que escreveu para o seu amigo e jornalista — o francês Thomas Baujard –, a mídia que estava em Sepang não conseguiu falar com o Zarco. Seu aparecimento na sala de imprensa sempre foram agendados simultaneamente com outros maiores nomes do MotoGP, e o próprio Zarco nunca aparecia para conversar. Às vezes, a falta de um assessor de imprensa pode resultar em desvantagem. A menos, é claro, que você não queira falar com a mídia. Hábitos antigos são difíceis de serem perdidos, não é Zarco?

Enfim, A Ducati por ser tradicionalmente mais rápida em linha reta, e mais lenta em girar, a nova borracha Michelin, em teoria, favorece os pontos fortes da Yamaha e Suzuki ao manter a velocidade na curva. Por outro lado, a melhor aderência do novo pneu pode favorecer a Ducati e a Honda na saída da curva.

Quem primeiro descobrir os segredos do novo pneu Michelin terá a chance de obter um melhor resultado. Para que isso aconteça os pilotos sabem que será necessário fazer uma mudança no estilo de pilotagem. “O primeiro trabalho será adaptar-se à mudança.”