Dovizioso será responsável pela próxima “BOMBA” na MotoGP?

981
dovizioso

Dovizioso deve ter ficado triste com o cancelamento do GP no Qatar, uma corrida que tradicionalmente trás bons frutos para a Ducati, duas vitórias nos últimos três anos. “Acho que tenho um recorde de corridas consecutivas, não lembro quando deixei de correr em algum GP. O fato é que dessa vez é por um motivo de força maior, mas pra mim essa corrida é uma grande oportunidade perdida. O Qatar sempre nos proporcionou boas corridas, sempre conseguimos nos destacar, os testes de pré-temporada mostraram que somos competitivos, eu estava pronto para lutar pela vitória”.

Todos que estão no paddock se beneficiaram do adiamento das atividades, das equipes aos pilotos. As equipes terão mais tempo para aperfeiçoar os protótipos, principalmente na parte de homologação. Dovizioso não ficou feliz: “Durante todos esses anos você se acostuma com esses compromissos fixos, eu gosto disso. Com esse adiamento e mais um mês livre pela frente é uma mudança difícil! Agora é ver como a situação evolui, pra mim, de um certo ponto de vista, seria mais fácil começar na Europa”.

O FUTURO DE DOVIZIOSO         

Se por um lado o tempo de férias dos pilotos aumentou, a janela de mercado para a escolha dos bons pilotos está diminuindo. Após tentativas frustradas de contratar Maverick, Quartararo e Marc Márquez, é inegável que a equipe italiana está em uma grande situação difícil, e para piorar até mesmo o número 1 da Ducati está olhando em volta. Há anos Dovizioso solicita intervenções técnicas na “besta italiana”. Após três anos seguidos sendo vice campeão, algo louvável para quem compete contra o melhor piloto da era moderna(93), poderá buscar estímulos em outros ambientes. Não é difícil imaginar Dovizioso na KTM ou Aprilia.

Quem conhece Alberto Puig sabe que ele é o homem dos fatos surpresa no paddock. Não seria de se admirar ver a HRC tirando um piloto fundamental da concorrência, podemos ver na jogada até mesmo outra equipe italiana que resolveu sair do comodismo trazendo uma moto que melhorou de forma concreta ao que era apresentado em anos anteriores. A impressão é que até o verão haverá outro anuncio extraordinário e que mais uma vez a Ducati ficará com uma mão na frente e outra atrás, afinal, Paolo Ciabatti disse claramente: “Andrea Dovizioso quer ver o que sente nas primeiras corridas e depois falar sobre seu futuro”.

Por mais que Dovi já tenha passado dos trinta anos e nunca tenha alcançado o feito de ser campeão mundial na principal categoria do motociclismo mundial, é inegável que ele está na melhor fase da sua carreira. Aposentadoria nessa situação? NÃO COGITEM TAMANHA BOBAGEM!

Leia também: Jonathan Rea tem talento para ser campeão na MotoGP

Perfil no INSTAGRAM do editor.