Os caminhos da Ducati e Yamaha se cruzam mais uma vez.

525

A classe rainha do motociclismo está de férias, mas nos bastidores as coisas estão fervendo! É quase certo que Marc renove com a Honda, dizem que a chegada de Alex(seu irmão) na equipe oficial foi uma das condições impostas pelo 8x campeão mundial, outra decisão onde há muito mistério é sobre a aposentadoria ou não de Valentino Rossi, essa é uma das decisões que mais podem impactar no mercado de pilotos. Não é segredo que a Ducati também está olhando para as movimentações do mercado, com o ‘sonho Marc’ praticamente já frustrado o que resta é olhar para as demais opções.

Com diferentes alternativas internas e externas, começando com Jack Miller que nos últimos tempos vem desejando e muito uma vaga na equipe oficial, outra possibilidade é Johann Zarco, recém assinado com a equipe Avintia e que já avisou: “Um ano de experiência para tentar a equipe oficial em 2021”.

Jorge Lorenzo durante sua crise na Honda tentou a todo custo uma vaga sob os cobertores da Ducati para 2020, mas no fim não deu certo sua investida e agora está curtindo sua vida de blogueiro no Instagram. Agora parece que os olhos dos chefes da Ducati estão focados em Maverick Viñales e Quartararo, mas como foi dito anteriormente, provavelmente o destino desses dois pilotos dependerá da decisão de Valentino Rossi. Situação complicada, Rossi renovando iríamos ver Quartararo ou Maverick se contentando com uma vaga na Petronas ou rumando ao desconhecido da Ducati.

Viñales é o número um da equipe atualmente, conseguindo duas vitórias na temporada para a Yamaha, e terminou em terceiro colocado na classificação geral. Ao mesmo tempo Viñales pede uma moto vencedora, mas a fábrica dos diapasões tem passado longe mas muito longe disso, tanto que a nova especificação de motor testada em Valência e Jerez não atendeu totalmente às expectativas do piloto espanhol.

Conservadorismo ou ousadia?

Enquanto aguarda o desenrolar do mercado, Tardozzi já tem a possível solução: “Jack Miller, eu o vejo mais focado nas coisas importantes, pensa mais e está interessado, então acho que está pronto para dar outro passo. Na Pramac sempre temos pilotos que são o futuro da Ducati”.

Tardozzi é conservador mas Gigi Dall’Igna é outro nível quando se trata do mercado de pilotos, ele sempre busca o melhor em circulação, talvez ele já enxergue que as atuais soluções caseiras serão tão fracas quanto a última escolha feita como aconteceu com a indicação de Danilo Petrucci.

É… parece que os caminhos da Yamaha e Ducati se cruzaram mais uma vez.
2011 e 2012 – Rossi sai da Yamaha e fracassa na Ducati.
2017 e 2018 – Lorenzo brilha tarde demais e deixa um gosto amargo na sua despedida.
2021 e 2022 – Quartararo ou Maverick? Façam suas apostas!

Leia também: https://www.maniamoto.com/a-honda-tem-uma-moto-facil-de-guiar/