Ducati e seu foguete de 355,2km/h no Qatar.

750

Jack Miller, a GP20 da Ducati é um avanço em relação à GP19? “Sim, melhoramos em todas as áreas. Eu digo ‘nós’ porque sou apenas o piloto. Nossa moto é um foguete. Velocidade máxima de 355,2km/h, eu guio constantemente na casa de 355km/h. A moto é definitivamente rápida, e o melhor é que não é tão agressiva quanto foi no passado, agora podemos usar todo o seu poder de maneira consistente e suave, isso é um ótimo avanço!”.

Fora o grande avanço dito por Jack Miller em relação à motocicleta, o que todos os sites falam é a respeito do “holeshot 2.0”, antes começou com um assistente de largada, hoje trabalha baixando a suspensão da moto nas retas. “Na verdade isso não é uma novidade, nós temos essa peça no nosso programa há algum tempo, mas os jornalistas acabaram descobrindo o sistema… Vocês são muito lentos e especulam demais, essa peça apenas ajuda na aceleração, isso é tudo”.

O holeshot foi implantado secretamente na moto de Jack Miller no GP da Tailândia, somente em Sepang que os oponentes perceberam que havia algo ‘estranho’ na moto da Ducati. Miller: “É por isso que Rins continuava me seguindo e observando de perto na pista”.

MUITOS SÃO OS ELOGIOS

É um tanto animador ver as palavras do Miller, principalmente quando ele diz que a moto mantém várias das suas características, porém não é mais tão agressiva quanto era um passado não muito distante, o que acaba sendo positivo para todos. Querendo ou não a Ducati continua na ponta quando o assunto é inovação, é inegável que todos já estão correndo atrás para copiar o holeshot 2.0, ou pelo menos tentar entender como realmente aquilo funciona. O fato é que até hoje nunca descobriram do que se trata a “caixa de salada” na rabeta da Ducati, se descobriram não vão falar, como é o caso da Aprilia e a nova RS-GP, a mesma tem um dispositivo semelhante na sua moto.

O holeshot é a grande inovação da equipe para a temporada 2020 ou é apenas uma cortina de fumaça? Complexo responder isso, uma moto não mantém suas principais características de aceleração e frenagem sem perder algo, muito menos sem ganhar algo ruim. Acredito que as mudanças da Ducati vão além do holeshot, muito além! O engraçado é que até o Bagnaia melhorou no seu ritmo, mas o fato é que ele também foi bem no Qatar na pré-temporada passada.

É estranho ver Dovi de longe, caladinho como quem não quer nada, que faça chover e aproveite toda a situação embaraçosa da Honda nesse começo de temporada porque cada pontinho será muito importante. Posso estar enganado, mas os novos pneus da Michelin vieram para virar o jogo de ponta-cabeça, ou pelo menos fazer as vitórias da Honda menos humilhantes. Que comece a temporada!

Leia também: Yamaha, uma moeda e seus dois lados!