Entenda o Funcionamento dos Motores 2 Tempos

14860
Cagiva Mito
Cagiva Mito

Motores 2 tempos

Motores 2 Tempos vs 4 Tempos, todo motociclista que se preze tem sua preferencia, discuss√Ķes passionais j√° foram feitas sobre esse tema, motores 2 tempos alguns tem paix√£o outros tem √≥dio, n√£o existe meio termo, mas afinal qual a diferen√ßa entre 2 tempos e 4 tempos ?

Os motores a combust√£o trabalham divididos em 4 fases (ou ciclos), e essas fases s√£o: Admiss√£o, Compress√£o, Combust√£o e Escape.

A grande diferen√ßa entre os motores 2 tempos e 4 tempos est√° no momento da execu√ß√£o dessas fases, ao qual o motor de 2 tempos executa as 4 fases em um √ļnico giro do virabrequim, j√° o 4 tempos executa a mesma tarefa em dois giros do virabrequim. Apesar de parecer algo simples, √© ai que nasce a magia dos dois tipos de motores, o torque fabuloso do motor 4 tempos e a pot√™ncia invej√°vel do motor 2 tempos.

Come√ßa o 1¬ļ Round:

Quando se fala na arquitetura do motor, a parte mais interessante dos 2 tempos est√° na sua simplicidade, esse tipo de motor dispensa a complexidade do seu “irm√£o” e deixa de lado as v√°lvulas, comando de v√°lvula, molas, cabe√ßote.

E com isso ele leva muita vantagem quando sobe na balan√ßa, seu peso √© bem menor, e no quesito custo de manuten√ß√£o e constru√ß√£o tamb√©m. Ele √© composto de: Bloco do motor, pist√£o, c√Ęmara de combust√£o, Janelas de transfer√™ncia, Canal de transfer√™ncia, Palheta, Vela e escapamento.

Motores 2 Tempos Primeira Fase
Motores 2 Tempos Primeira Fase
Motores 2 Tempos Segunda Fase
Motores 2 Tempos Segunda Fase

Alguns motores possuem mais peças, mas vamos nos limitar a descrever o básico de funcionamento para facilitar o entendimento.

Pelo fato do motor ter uma combust√£o a cada volta, isso gera uma pot√™ncia maior e facilidade em atingir giros mais altos, pois, toda vez que o pist√£o sobe ele √© novamente empurrado para baixo. Consequentemente um motor de cilindrada igual, sempre ter√° uma grande diferen√ßa de pot√™ncia favor√°vel aos 2 tempos.

Em contrapartida, ajustar o tempo entre admiss√£o e escape do sistema √© mais complicado, pois, o pr√≥prio movimento do pist√£o que controla a entrada e sa√≠da do ar-combust√≠vel, ou seja, o controle dessa vaz√£o dentro do cilindro n√£o tem a efici√™ncia do comando de v√°lvula fazendo assim o motor perder boa parte do torque principalmente em baixas rota√ß√Ķes.

Parte dessa perda de efici√™ncia de torque √© porque no momento que o pist√£o est√° descendo ap√≥s a combust√£o, parte da mistura na subida para a c√Ęmara de combust√£o sai pelo escapamento, e o respons√°vel por fazer a mistura retornar (parte dela) s√£o os gases de escapamento, escapamento s√£o projetados com essa finalidade, fazer uma press√£o contr√°ria ent√£o parte da mistura retorna para a c√Ęmara de combust√£o.

√Č por esse motivo que em um motor 2 tempos o escapamento √© fundamental no funcionamento do motor e ao colocar um escapamento esportivo que geralmente √© mais aberto, ele perder√° a efici√™ncia de retorno dessa press√£o contraria, fazendo assim a moto perder torque em baixa rota√ß√£o, mas aumentando a pot√™ncia pois facilita a vaz√£o dos gases queimados.

Motores 2 Tempos Funcionamento
Motores 2 Tempos Funcionamento

Lubrificação

A lubrificação do motor é feita pelo óleo lubrificante exclusivo para esse tipo de motor, esse óleo é misturado junto à mistura de ar-combustível e ao entrar no cilindro já faz a lubrificação e parte dele é consumido na combustão e eliminado pelo escape.

√Č um tipo de √≥leo diferente do √≥leo 4 tempos, pois, ele n√£o pode atrapalhar a combust√£o, portanto, ele √© mais uma esp√©cie de combust√≠vel com propriedades de lubrifica√ß√£o.

Existe um par√Ęmetro de propor√ß√£o entre ar, combust√≠vel e √≥leo dois tempos para que o motor funcione corretamente e essa propor√ß√£o √© din√Ęmica de acordo com a rota√ß√£o do motor, ou seja, a lubrifica√ß√£o do motor varia de acordo com o aumento ou redu√ß√£o do RPM.

Como essa propor√ß√£o gerava in√ļmeras dificuldades para os donos dessas motos, algumas empresas criaram um sistema que de lubrifica√ß√£o autom√°tica (Autolube), onde o pr√≥prio sistema se encarrega de fazer a pr√©-mistura de acordo com a rota√ß√£o do motor, ficando a cargo apenas completar o reservat√≥rio de √≥leo dois tempos e n√£o mais precisando fazer a mistura no tanque como em alguns modelos de motos mais antigos.

Lembrando também que a vantagem dessa forma de lubrificação é que o motor está sempre sendo lubrificado com óleo novo.

Pilotagem 2 tempos
Pilotagem 2 tempos

Pilotagem

Mas vamos falar da pilotagem a bordo desse motor, o freio motor √© praticamente nulo, ele existe, mas aparece de forma bem sutil, voc√™ pode soltar o acelerador e n√£o percebe aquela redu√ß√£o de velocidade como no 4 tempos e isso √© de fato uma caracter√≠stica da arquitetura e √© devido a alguns fatores como baixa taxa de compress√£o, quantidade de combust√≠vel na desacelera√ß√£o, compress√£o din√Ęmica, fato de ter combust√£o em todos os giros, tudo isso ‚Äúfacilita‚ÄĚ o motor girar e com isso a resist√™ncia que ele faz √© muito fraca.

Esse fator j√° muda muito a din√Ęmica da pilotagem desses modelos, pois, altera a frenagem da moto geralmente se traduzindo em freadas mais longas pois n√£o tem auxilio do freio motor.

Outro aspecto tamb√©m √© a forma que o motor entrega o torque e a pot√™ncia, esse motor geralmente possui pouco torque dispon√≠vel em baixa rota√ß√£o, sendo assim, para ter um bom desempenho as rota√ß√Ķes do motor deve estar sempre de m√©dia para alta rota√ß√£o.

As vezes sair com uma moto 2 tempos em um semáforo você já percebe que precisa até queimar a embreagem para conseguir sair de maneira satisfatória.

Mas com isso, aqueles pilotos que adoram acelerar acabam gostando desse aspecto e facilmente mantém o giro lá em cima e consegue extrair um desempenho muito bom, claro que com isso, o apetite do motor aumenta.

Entrega de Potência

Outro ponto é a entrega de potência do motor, geralmente de forma brusca e sem muito aviso, você está acelerando a moto e após um determinado giro vem aquele surto de potência (que normalmente é entregue em altos giros), quem não está acostumado acaba se assustando um pouco, mas após um tempo é pura diversão sentir o corpo empurrado para trás de uma hora para outra.

Após entender alguns aspectos de pilotagem dos motores dois tempos, é possível entender como era difícil dirigir os mísseis da era das 500 no Campeonato Mundial de Moto Velocidade.

Em um tempo onde a eletr√īnica era infinitamente mais limitada do que hoje, imaginar os pilotos a bordo de motos que beiravam 200 cavalos de pot√™ncia e tinham uma entrega de pot√™ncia brutal e tinham que controlar tudo isso no punho direito, temos realmente que aceitar que os caras eram lendas e Ets como n√≥s chamamos.

As motos mais conhecidas que disputavam o mundial na era 2 tempos foram: Honda NSR 500, Yamaha YZF 500, Suzuki RGV 500, Cagiva GP 500 entre outras bestas feras.

Motores 2 Tempos
Motores 2 Tempos

Nas motos de serie uma lenda das motos 2 tempos sem duvida foi a Cagiva 125, moto que Valentino Rossi iniciou sua carreira em 1994 no Campionato Italiano Sport Production, ultima remanescente das esportivas 2 tempos, a marca Cagiva e fabricada nos dias atuais pela MV Agusta mas ainda oferece o modelo, no Brasil a esportiva que fez historia no mundo das dois tempos foi a Yamaha RD 350R.

Hoje em dia os motores 2 tempos foram extintos do Mundial de Motovelocidade, a pr√≥pria Moto3 j√° n√£o utiliza mais esse tipo de motor, mas ainda assim, ele  √© muito empregado na categoria off-road e tamb√©m na ind√ļstria n√°utica.

Em motos urbanas poucas fabricantes oferecem seus produtos com essa motoriza√ß√£o devido ao fato de polu√≠rem mais, h√° quem cogita que a inje√ß√£o eletr√īnica pode resolver esse problema e torce muito para que as ‚Äúfumacentas‚ÄĚ voltem a ativa com for√ßa total, e voc√™s o que acham?

Matéria de nosso editor André de Sousa Alves (Darth Tatuapé Motos).

logo-tatuape-min