Marc Márquez e Jonathan Rea já tiveram o bastante?

44

“Se você assistir o Nadal ou o Messi jogando, verá que em todos os jogos eles fazem coisas novas e são cada vez mais espetaculares por causa disso. Vendo-os, você acha que é impossível fazer melhor. Se eles podem, eu também tenho que ser capaz, por isso todos devemos nos esforçar na equipe para superar o nível deste ano”

Marc Márquez

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 71915867_2727703840597853_3284589867547230208_n.jpg

Marc e Rea estão reescrevendo o livro de história do motociclismo esportivo nos últimos anos. Os seus sucessos no MotoGP e no WorldSBK tornaram esses dois pilotos lendas vivas em suas categorias, embora seja altamente improvável vê-los alinhados no mesmo grid no futuro, partilhando mais do que os seus status de campeões mundiais.

Alex Ferguson disse que “alguns jogadores têm momentos na Champion League, outros têm carreiras”. O lendário técnico de futebol estava falando sobre a diferença entre ser um jogador transcendental e um que apenas mostra ´flash´de genialidade. Se você quer ser uma lenda, precisa “acontecer” toda vez que amarrar as botas.

Se você quer ser uma lenda das corridas de moto, você deve ser ´all-in´ em todas as oportunidades. Sempre que você estiver na moto é uma oportunidade de afirmar seu domínio. Corrida é o teste final dos nervos. Você pode cavar fundo o suficiente em sua alma para tirar o máximo proveito de si mesmo? Você pode minar a determinação de seus rivais?

Márquez e Rea fazem isso de forma consistente, mas este ano ambos enfrentaram testes mais difíceis. Para Márquez, o rival tem sido o calouro-sensação do MotoGP, Fabio Quartararo, e para Rea, um refugiado de MotoGP, Álvaro Bautista. Ambos os novatos chegaram à temporada de 2019 com algo a provar.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 72254050_2469652036466390_1325785069163380736_n.jpg

A decisão de contratar Quartararo foi fortemente criticada na época. O francês havia chegado ao paddock do Grande Prêmio como um fenômeno em 2015. Ele era um bicampeão do CEV, e o livro de regras foi adaptado para acomodá-lo no Moto3 com apenas 15 anos. Ele era o adolescente que estava chegando como homem. As más decisões na carreira o colocaram no pé de trás e quase o deixaram no meio do caminho.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 71276500_1464149630402888_4818958472957657088_n.jpg

Bautista terminou a temporada de MotoGP de 2018 em grande forma como piloto do MotoGP, mas seu incremento em performance no final da temporada foi muito pouco e muito tarde para salvar um assento na equipe de fábrica. Ele foi para o WorldSBK com um ponto a provar.

Para o espanhol, a Ducati montou uma nova Panigale V4R, que era semelhante à sua máquina do motoGP. Com pneus Pirelli, ele criou um estilo que estava em completo desacordo com o que era a norma no campeonato mundial de Superbike, forçando Rea a melhorar seu jogo.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmmm-5-2-1024x1024.jpg

Quartararo pode ser o sétimo na classificação, mas ele foi o teste mais difícil de Márquez porque chegou à categoria rainha como uma “esponja”. Ele cresceu nas corridas, olhando para Márquez como o melhor guia. Da mesma forma que Casey Stoner, Dani Pedrosa e Jorge Lorenzo olharam para Valentino Rossi e aprenderam com a sua abordagem e estilo de pilotagem, a nova geração de pilotos olha hoje para Márquez. Quartararo estreou no CEV em 2013, ano de Márquez como estreante no MotoGP, e pôde ver que espanhol trouxe um novo estilo de pilotagem e abordagem para a categoria.

Márquez estava cru no início de 2013, mas no meio da temporada ele era o homem. Ele estava ganhando corridas e não tinha nada a temer na classe rainha. Na sua cabeça, ele já era o melhor piloto do mundo e, no meio da temporada, transformou o ritmo de pódio em vitórias.

A campanha de estreante de Márquez foi tão absurda que redefiniu a altura da barra para todos os estreantes subseqüentes, e Quartararo é um dos poucos que podem ser comparados a ele. O francês ainda não venceu uma corrida, mas está batendo à porta da vitória. Mas Márquez simplesmente se recusa a ceder qualquer coisa ao seu jovem rival. ”Não basta ter sucesso; os outros devem falhar”.

Como o El Diablo poderá superar o campeão? O que ele poderá fazer que Rossi, Lorenzo ou um grupo de pilotos mais experientes não conseguiram? A resposta simples é que ele pode, porque foi treinado de maneira diferente dos pilotos referidos. Vimos recentemente Jorge Navarro fazer um “save” nos treinos livres de Moto2. Ele salvou um acidente certo ao acionar o acelerador e deslizar a dianteira. Navarro é da “safra” Márquez. Os Jovens pilotos veem como Márquez monta e eles o imitam.

Quartararo é o teste mais difícil porque é novo. Márquez pode olhar para o resto da grid com a confiança que ele é melhor que todos, enquanto Quartararo é ainda um desconhecido. Sempre foi assim para os grandes pilotos. Sheene para Roberts, para Spencer, para Rainey, para Doohan, para Rossi, para Márquez. A linha de sucessão sempre viu um jovem piloto aprender as lições de um piloto mais velho e seguir em frente. O novato aprende com os erros dos veteranos e aprimora sua técnica até o enésimo grau. Em qualquer linha de trabalho, é assim que você melhora. Alguns pilotos, como Rossi, mantêm o manto por mais tempo que outros, mas o tempo é o único vencedor nas corridas e, eventualmente, seu tempo acaba longe do topo.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é gp-thailandia-2019-4.jpg

Márquez é o líder da turma há anos e talvez Quartararo seja o piloto que o substituirá no futuro. Para Márquez, ele sabe que não tem nada a temer da maioria dos pilotos do grid. Ele os derrota desde o primeiro dia, mas este ano vimos Alex Rins enfrentá-lo e vencer. Se Quartararo ganhar uma corrida vencendo Márquez, não seria uma surpresa. É por isso que Márquez se recusa a conceder uma polegada ao seu rival.

Ao se classificar na Tailândia, ele forçou muito. Por que pressionar tanto? “Os anos passam e eu amadureci um pouco. O homem é o único animal que tropeça duas vezes na mesma pedra, e certamente há erros que cometi novamente, mas tento aprender. Este foi o ano mais sólido da minha carreira esportiva.” . Ele não pode deixar seu rival abrir sua conta de vitórias na classe rainha. Se ele puder atrasar essa vitória por duas semanas, será um bom dia para Márquez. Se isso acontecer no dia em que ele reivindica o título, será um grande dia.

O mesmo aconteceu com Rea no WorldSBK no último fim de semana. Na França, ele queria encerrar o título o mais cedo possível e afirmar seu domínio em campo. Bautista e a Ducati chocaram a todos ao vencer as 11 corridas de abertura do ano. Eles chocaram a todos mais ainda ao desabar na segunda metade da temporada como um castelo de cartas. Rea e Kawasaki ganharam um título que em maio não acreditavam ser possível.

Esta foi uma temporada estelar em sua carreira na classe mundial. Este é Rea no seu auge. Nos treinos livres, ele caiu no piso molhado porque queria continuar chutando seus rivais quando eles caíam. Não lhes dê um centímetro, tire a esperança e você continuará vencendo. Essa abordagem precipitou o acidente porque mostrou que até mesmo Rea pode cometer erros. O erro, no entanto, veio na prática e não na corrida. Quantas vezes vimos o mesmo acontecer com Márquez ao longo dos anos?

Márquez e Rea mostraram que vencer não é suficiente. Eles querem provar constantemente seu domínio. Eles estão reescrevendo o livro de recordes e mostraram ser os maiores pilotos do MotoGP e do WorldSBK de todos os tempos. Eles fizeram isso sempre levando suas habilidades ao limite porque sabem que um dia enfrentarão o desafio dos próximos Márquez e Rea.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmmm-6-2-1024x1024.jpgManter as esperanças de seus rivais adiadas pelo maior tempo possível é o lema de ambos.

Ganhar é suficiente? Não! Não está nem perto de ser suficiente…