Notas de Jerez 2019: Como fica a KTM e os seus novatos depois do teste?

310

A KTM tem se concentrado no novo chassi, com o tubo oval que mais se assemelha a uma viga como parte do quadro. Esse quadro é um grande passo à frente, especialmente em sua segunda sequência. A moto está mais fácil de rodar, o que fez uma grande diferença em Jerez, com Pol Espargaró terminando entre os dez primeiros nos dois dias.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmm-1-1024x1024.jpg

Parte do problema da KTM no final desta temporada pode ser atribuído a falta de continuidade, com Johann Zarco inicialmente, e, depois, devido a entrada de dois novos estreantes em 2020. Miguel de Oliveira está ausente após ser submetido à cirurgia no ombro, e todo o trabalho de teste está caindo sobre Pol Espargaró. Ele estava sendo habilmente assistido por Dani Pedrosa, mas quando Pedrosa ficou doente na segunda-feira com gastroenterite, Pol Espargaró assumiu a responsabilidade de todo o projeto. O que Espargaró precisa é que Oliveira volte relativamente bem em Sepang e que Iker Lecuona e Brad Binder dêem um grande passo adiante no inverno.

O que podemos dizer sobre o progresso dos novatos? As suas posições na tabela de tempo estão bastante distantes. Lecuona e Binder estão cerca de 2,8 segundos mais lentos que Maverick Viñales. Mas tire Viñales da equação e eles estarão muito melhor na tabela de tempos. Lecuona e Binder ficaram  apenas 1,7 segundos atrás do piloto mais rápido.

Para os novatos, era difícil compreender a diferença entre os pneus Michelin da MotoGP e os Dunlops da Moto2. “Os pneus são incríveis”, disse Iker Lecuona. “É possível frear no mesmo ponto das condições secas. É possível usar muito ângulo de inclinação, abrir o acelerador e frear tarde. Portanto, em geral, é muito melhor em comparação com o pneu de Moto2.”

Para Brad Binder, da equipe da fábrica, toda a experiência foi uma surpresa. “O MotoGP é muito melhor”, disse o sul-africano. “O controle de tração é surpreendente; é como um amortecedor, facilitando muito a vida do piloto. Você sente as condições muito mais. E os pneus são de outro nível. É incrível a quantidade de ângulo de inclinação que você pode usar e a aderência é louca. Acho que não estou nem perto do ponto em que posso dizer que esse talvez seja o limite!”.

Há um longo caminho a percorrer, e Sepang deve ser instrutivo, mas teremos que esperar até que eles corram uma ou duas corridas para ter uma noção real de onde os novatos — Alex Márquez, Iker Lecuona e Brad Binder — se encontram realmente.