O ressurgimento dos novatos.

201

Por detrás da batalha das motos azuis da Yamaha no Red Bull Ring, Pecco Bagnaia e Miguel Oliveira lutaram pelo melhor estreante depois de Fabio Quartararo. Há muito que suspeitamos que Oliveira é especial, desde que o piloto português entrou para a KTM, e começa agora a desafiar Pol Espargaró regularmente. Se Oliveira poderia ter batido Espargaró no domingo é uma questão em aberto, depois que o piloto de fábrica sofreu um problema técnico que paralisou sua moto ao entrar na curva 1.

Oliveira chegou perto de Bagnaia, cruzando a linha em oitavo lugar, e com as notícias de Johann Zarco deixando a KTM, foi um resultado importante para a fábrica austríaca. Ele mostrou que a moto não é impossível de montar, e você não precisa forçá-la tão ferozmente quanto Pol Espargaró para tirar o melhor proveito dela. Talvez seja mais fácil de fazer isso quando a KTM é sua primeira experiência como moto de MotoGP, e você não foi embalado na falsa sensação de segurança pelo cobertor quente que é a Yamaha M1.

“Quando chegamos aqui neste projeto, eu não sabia o que esperar”, disse Oliveira. “O objetivo era terminar com pontos em todas as corridas e conseguimos fazê-lo na maioria das vezes no primeiro semestre, e nessa segunda parte da temporada ainda é o nosso principal objetivo, salvo se notarmos que a nossa moto é capaz de fazer mais”. Eu pensei que seria possível lutar por um top dez, e fizemos isso. Então nas próximas corridas nós só precisamos esperar e ver o que vai acontecer. Brno e esta pista são diferentes do que habitualmente enfrentamos porque tivemos a nossa equipe de teste testando aqui antes, de modo que nos deu uma enorme compreensão de qual caminho seguir na configuração.”

A moto está claramente melhorando – o tempo de Oliveira foi 19 segundos mais rápido do que o de Bradley Smith em 2018. “Toda corrida, especialmente em pistas que são melhores para nossas motos, em comparação a outras, temos lutado menos que o normal”. disse o piloto da Red Bull Tech3 KTM. “O que obviamente mostra é que estamos indo em uma boa direção, porque a moto melhorou com as pequenas modificações que fizemos no chassis e no motor, mas com certeza é bom mostrar os resultados que fizemos hoje.”

 

O sétimo lugar foi também um excelente resultado para Pecco Bagnaia. Após as primeiras corridas da temporada, Bagnaia parecia ter ficado para trás, com resultados decepcionantes para o atual campeão de Moto2, e amplamente esperado para vencer como o estreante do ano. Mas uma mudança no front-end encontrada no teste de Brno fez uma grande diferença em seu sentimento na Áustria, permitindo que ele se classificasse em quinto e terminasse a corrida em sétimo.

“Demos um passo à frente, não na moto, mas mais no meu sentimento”, Bagnaia comentou no sábado à tarde. “Porque eu senti algo na última parte da entrada da curva e foi a coisa mais positiva do teste; algo que eu realmente queria ter.” A maior coisa no domingo para Bagnaia não era tanto a posição com relação aos pilotos da fente. “Este é um ótimo resultado, o melhor da temporada. Reduzimos a diferença dos líderes”, disse ele.

Sair significa ganhar

O forte resultado de Oliveira garantiu um grande prêmio caseiro para a KTM. No sábado, eles anunciaram que estariam saindo da Moto2 e expandindo a sua presença na Moto3. No domingo, Brad Binder fez uma corrida brilhante para vencer na Moto2, a bordo da Red Bull KTM, à frente de Alex Márquez. Irônico, talvez, que Binder vencesse no dia seguinte ao anúncio da KTM.

“Fiquei sinceramente chocado ao ouvir a notícia”, disse Binder após a corrida. “Aki [Ajo] sentou comigo antes da corrida e disse ‘antes de ver na imprensa…’ e eu não tinha ideia. Por um lado, acho que é bom, porque –  eu indo para o GP no ano que vem – haverá mais gente disponível para trabalhar para mim, por isso pode ser positivo, mas será triste também porque você está perdendo um rival, estamos lutando contra os outros dois e eles parecem ter dado um pequeno passo na nossa frente, mas hoje não foi ruim, foi? Eu não sei. Bom por um lado, mas triste por outro.”

Embora a vitória do Binder tenha sido impressionante, devido aos problemas que a KTM enfrentou durante toda a temporada, o segundo lugar de Alex Márquez foi talvez ainda mais notável. O espanhol começou a partir do 11º, e conseguiu manter a cabeça fria enquanto os pilotos caíam ao seu redor, lutando para terminar logo atrás do Binder. A transformação de Márquez de bom piloto para um potencial campeão é notável e continua em ritmo acelerado. 

Depois de muita especulação ligando Alex Márquez à Petronas Sprinta Racing, o espanhol renovou com a Marc VDS para 2020. Comenta-se que um veto da Yamaha, por meio de Lin Jarvis, foi o principal fator contribuidor da sua permanência com a atual equipe.