Teste Triumph Street Scrambler 900

213
scrambler triumph 900

Em 2001, quando eu era um feliz proprietário de uma BMW GS 1100, um amigo me ofereceu uma Triumph Tiger 900 para dar uma volta, poucos quilômetros depois eu já sabia qual seria minha próxima moto.

Depois de andar toda vida com motos vibrantes, finalmente havia encontrado uma moto alta, confortável, com um motor de tirar o fôlego (tratando-se de big trail) e o melhor de tudo: sem vibrações. Ou quase sem elas, que me incomodavam muito em viagens com as outras motos.Desde então praticamente só andei de Triumph. Foram duas Tiger 955i, uma Tiger 1050 e uma Tiger Explorer 1200 XCA.

A exceção foi uma Suzuki LC 1500 (só pra curtir uma custom) e um período em que andei de Yamaha Super Ténéré 1200 entre 2012 e 2014.Por motivos diversos que estavam me impedindo viajar de moto e por ter uma forte atração pelas motos com estilo mais antigo, tipo vintage e clássicas, comprei uma Triumph Street Scrambler.

O estilo Scrambler surgiu na Inglaterra na década de 20 e caracterizava motos despojadas de cromados e peças desnecessárias e calçadas com pneus para encarar todo tipo de terreno. Naquela época não existiam as motos trail e os motociclistas pegavam suas motos comuns e as adaptavam. Além dos pneus, mudava-se as suspenções, o escapamento (que era colocado em uma posição mais alta para encarar alagados e para não bater em pedras) e era colocado um guidom mais largo.

E assim nasceram as motos de estilo Scrambler.O design da atual Scrambler da Triumph, que é derivada diretamente da Boneville, é oriundo das décadas de 50/60 onde os pilotos faziam as alterações e adaptações necessárias para participarem de corridas na terra. O painel é despojado e vintage mas é bem completo. Conta com velocímetro, conta giros, indicador de marcha, hodômetro total e dois parciais, autonomia, consumo médio e instantâneo, indicador de manutenção e relógio. Embaixo do banco existe uma prática tomada USB para carregar dispositivos eletrônicos.  

Na parte ciclística esta clássica traz rodas raiadas com aro 19 na frente e 17 na traseira. Equipada com pneus Metzeler Tourance, a moto é muito fácil de manobrar, tem boa estabilidade, é muito maneável e bem equilibrada pois tem seu centro de gravidade relativamente baixo. No geral a moto não é feita para ser usada no modo desempenho máximo mas sim para uma pilotagem descompromissada pra ir curtindo a paisagem.

Na parte de frenagem temos um eficiente disco de 310 mm na dianteira e um disco de 255 mm na traseira com ABS comutável. Esse conjunto da Brembo garante uma ótima frenagem e é condizente com a proposta da moto que é muito fácil de ser conduzida por qualquer piloto, mesmo que tenha baixa estatura ou não tenha muita experiência.

Vale ressaltar que tanto o ABS quanto o controle de tração podem ser desligados caso necessário ou desejado.O motor agora tem 900cc, dois cilindros paralelos, é refrigerado a água e tem 65cv. Apesar de ter o virabrequim desencontrado a 270 graus, é pouco vibrante e o ruído é baixo e agradável (como opcional existe uma ponteira dois em um esportiva).

A Scrambler 900 anda sem vibrações até 100/110 km/h. Acima disso o vento no peito e as vibrações começam a incomodar um pouco. Por aí se nota que não é uma moto para altas velocidades e viagens longas apesar de ela ir fácil a 170/180 por hora.

O torque não deixa a desejar e está disponível desde as baixas rotações. As suspensões cumprem com a proposta da moto e ambas têm 120mm de curso. A dianteira absorve bem as irregularidades do nosso piso enquanto que a traseira, apesar de regulável, me parece um pouco dura demais (existe a opção de amortecedores trazeiros mais profissionais).

Dá até pra pegar uma estradinha de chão batido mas as suspensões não são feitas para um off road pesado. Os pneus on/off  são macios e oferecem boa aderência tanto no asfalto como naquela estradinha de chão leve. O banco do piloto é enorme e muito confortável e no lugar para o garupa pode ser instalado um pequeno banco, um rack ou ainda um banco inteiriço normal para duas pessoas que pode ser adquirido na própria Triumph como acessório original, que foi o meu caso.

A Scrambler que conhecemos hoje começou a ser fabricada em 2006 e algumas unidades foram importadas pela Triumph. Em 2015 ela foi profundamente reestilizada e modernizada com aparatos eletrônicos e em 2018 começou a ser vendida novamente no Brasil com o nome de Street Scambler. Para quem quer uma Scrambler mais voltada ao off road existe a Scrambler 1200, essa sim uma autêntica off road mas não tão clássica ou tão vintage como a 900.