Yamaha e Tech3: a diferença é o fator humano.

491
Johann Zarco
Johann Zarco

Herve Poncharal não consegue ter uma explicação lógica para demonstrar o porquê de Johann Zarco ser mais rápido que as M1 oficiais de Valentino e Maverick. O francês representa uma variável maluca da Yamaha. No ano de 2017, pela equipe Tech3 repetidamente deu uma lição indireta às motocicletas oficiais da Yamaha e este ano trabalha para não ser superado. 2º lugar no teste na Tailândia, 1º no teste do Qatar, pole position no GP de Losail e na liderança por 17 voltas, pódio na Argentina.

 

O rapaz tem fome e continua deixando técnicos e engenheiros de boca aberta na casa de Iwata, encontrar uma explicação não é algo muito simples. Grande parte do sucesso de Zarco vai para a sua forma física e para um estilo de condução que desgasta menos o pneu traseiro, mas essa não é a única explicação.

Até o ano passado Rossi e Viñales queixavam-se dessa situação estranha que estavam passando, mas este ano os quatro pilotos da Yamaha tem o mesmo chassis de 2016, ou pelo menos possuem em mãos uma evolução técnica desse mesmo chassi. As principais queixas agora dos dois pilotos oficiais estão direcionadas para a parte eletrônica, mas o que intriga é que Johann Zarco faz acontecer de todas as formas, não reclama e está colecionando seus resultados.

“Os oficiais têm novos motores 2018, nossos motores são de 2016”, explicou Herve Poncharal“Já corremos em quatro pistas diferentes este ano, com condições e tempo muito diferentes, Johann era claramente o melhor piloto da Yamaha. Por quê? Eu não sei. Eu não quero mostrar nenhum desrespeito ao Viñales ou Rossi porque eles são pilotos que estão no topo da cadeia alimentar. Vimos no início do campeonato de 2017 o que o Johann é capaz de fazer. Ele é um fora da média. Mas, por alguma razão, o pacote dos pilotos oficiais não é tão eficaz quanto o esperado.”

Há cerca de um ano os pilotos oficiais da Yamaha não conseguem expor o máximo dos seus potenciais, certamente o máximo deles deve ser superior aos resultados obtidos, mas faz parte desse nosso mundo, nem sempre o melhor pacote é capaz de vencer. “O melhor pacote na Fórmula 1 é claramente o da Mercedes”, acrescentou Herve Poncharal“mas agora eles não estão ganhando. O fator humano desempenha um papel significativo. A Red Bull demonstrou isso no domingo na China. E acho que na MotoGP algumas equipes de clientes como a LCR e a Tech3 estão a provar que, se o dinheiro desempenha um papel importante ao envolver os melhores pilotos, o fator humano sempre desempenha algo a mais. Sempre permanece como um elemento importante.”