Yamaha: Jonas Folger sai, mas quem assumirá o seu lugar?

158

Com os testes de MotoGP cada vez mais restritos aos pilotos de MotoGP em tempo integral – os chamados pilotos contratados –, a importância das equipes de testes aumentou. Nas temporadas anteriores, a maioria dos fabricantes japoneses usou pilotos japoneses baseados no Japão para impulsionar o desenvolvimento de suas motos, contudo, nos últimos anos, todos passaram a usar equipes baseadas na Europa, compostas por ex-pilotos do MotoGP como pilotos de testes. Por exemplo, a Suzuki tem Sylvain Guintoli, a Honda tem Stefan Bradl e a Yamaha teve Jonas Folger em 2019.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmmm-3-12-820x1024.jpgMas, ao que parece a Yamaha não o terá para 2020. Em entrevista à publicação em língua alemã Speedweek.com, Folger anunciou que a Yamaha decidiu não renovar o seu contrato para a próxima temporada. “Essas más notícias foram uma surpresa para mim”, disse o alemão. “Eles me deram garantia verbal de que a Yamaha queria continuar comigo. Já estávamos discutindo como seria o plano de teste e outros eventos. Mas eles cancelaram, apesar de dizerem que eu conseguiria o contrato.” Mais tarde foi dito a Folger que a Yamaha continuaria com os pilotos japoneses.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é gallery-motogp-malesia-sepang-2019-38.jpgIsso parece um comportamento estranho da fábrica japonesa. Quando Valentino Rossi anunciou que mudaria de chefe de equipe para 2020, trazendo David Muñoz para substituir Silvano Galbusera, o chefe de equipe da Yamaha, Maio Meregalli, disse a vários meios de comunicação que Galbusera iria liderar a equipe de testes, permitindo que ele viajasse menos no futuro.

Impedindo o progresso

Inverter a política de ter uma equipe de teste europeia também certamente encontrará resistência dos pilotos de fábrica da Yamaha. Valentino Rossi e Maverick Viñales esforçaram-se muito pelo estabelecimento de uma equipe de teste sediada na Europa, usando um piloto mais competitivo do que os “confiáveis japoneses” Katsuyuki Nakasuga e Kohta Nozane. O progresso feito com a moto este ano pode ser atribuído, ao menos em parte, ao trabalho de Folger com a equipe de teste.

A Yamaha negou qualquer acordo verbal com Folger, e eles também negaram que estão tentando acabar com sua equipe de teste na Europa. “O nosso programa de testes do MotoGP continuará no Japão e na Europa, conforme planejado”, disse Lin Jarvis, diretor-gerente da Yamaha Racing, à Speedweek.com. “Quanto a contratar um piloto de teste de fora do Japão, vamos manter as nossas opções em aberto.”

Essas opções são limitadas. A maioria dos ex-pilotos competitivos de MotoGP já encontrou outros caminhos para 2020. Stefan Bradl e Sylvain Guintoli permanecerão na Honda e Suzuki, respectivamente. Michele Pirro continua sendo o principal piloto de testes da Ducati, e Dani Pedrosa juntamente com Mika Kallio, continuarão trabalhando no desenvolvimento da KTM RC16.

Bradley Smith poderia ter sido uma opção, por ter quatro anos de experiência com a M1, além de dois anos na KTM. Mas Smith está perto de uma renovação com a Aprilia, colocando-se fora das opções. A Yamaha também rejeitou várias ofertas de outros pilotos, incluindo Dominique Aegerter.

A resposta óbvia

Quem sobrou? Há um ex-piloto de MotoGP da Yamaha que está atualmente sem contrato para 2020. Depois de pedir que o seu contrato com a KTM fosse rescindido no final de 2019, ele ficou sem emprego assim que a KTM decidiu afastá-lo da equipe, antes da prova de Aragão. Johann Zarco está, por enquanto, desempregado no próximo ano. O francês já conversou com a Yamaha sobre o papel de piloto de testes, mas a Yamaha interrompeu essas negociações quando Zarco aceitou a oferta de ser o substituto do piloto da LCR Honda, Takaaki Nakagami, enquanto o japonês se recupera de cirurgia no ombro.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é 18301435_109611756278509_307830955112670106_n.jpgEstas três corridas foram vistas como uma forma de a Honda avaliar amplamente o que Zarco é capaz, para contratá-lo como um possível substituto de Jorge Lorenzo, após a miserável temporada do espanhol na equipe Repsol Honda. Mas a conversa sobre Lorenzo ter sido dispensado pela HRC está em silêncio, depois que os chefes da Honda conversaram com Lorenzo em Motegi. Publicamente, Lorenzo recebeu garantias de que permanecerá na equipe Repsol Honda até 2020, e o chefe da Equipe declarou que o seu objetivo é construir uma moto na qual Lorenzo possa ser competitivo.

Lorenzo, por sua vez, admite que seu futuro dependerá dos testes após Valência. “Testarei a Honda 2020, e depois decido.”

Os pronunciamentos públicos de Johann Zarco parecem apoiar isso. Em Phillip Island, Zarco disse que estava olhando para todas as opções, incluindo uma temporada na Moto2. Notadamente, a equipe Ajo ainda não anunciou oficialmente seu segundo piloto de Moto2, depois de perder Iker Lecuona para a equipe Tech3 KTM do MotoGP em 2020. Zarco ganhou seus dois títulos mundiais de Moto2 com a Ajo, e acredita-se que ele tenha um lugar lá, se desejar. Em Sepang, Zarco ficou em silêncio sobre seu futuro…

Nada decidido ainda

No show de motocicletas da EICMA em Milão, Zarco conversou com o site italiano GPOne.com. Ele lhes disse que o seu futuro ainda está aberto e que ainda está disponível para substituir Lorenzo, caso a Honda e Lorenzo decidam seguir caminhos diferentes.

Zarco parece ser o piloto ideal para a Yamaha. O francês foi bastante rápido com a M1, uma moto que ele revelou ter sensibilidade e o seu feedback foi muito bem avaliado. Na Honda, seus comentários também foram elogiados, embora com a KTM ele tenha se “encaixado” muito mal, a ponto de não saber por onde começar, e o seu feedback foi de pouca ajuda para melhorar a moto.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é mmmm-4-4-1024x953.jpgNo momento, os pilotos japoneses da Yamaha estão preparando os protótipos de 2020 para os testes de Valência e Jerez. Seria útil para a Yamaha ter um piloto experiente nesses testes, visando já trabalhar com as novas motos. Mas com Fabio Quartararo e Franco Morbidelli também mostrando um ritmo forte com as Yamahas, a necessidade é menos urgente, pois os dois pilotos da Petronas Yamaha podem contribuir no fornecimento de novas informações.

A Yamaha, no entanto, precisará de um bom piloto de teste para a temporada 2020, se quiser continuar o forte progresso que alcançou em 2019. Várias fontes ao redor do paddock indicam que Johann Zarco poderia começar de onde terminou com a Yamaha…